Quinta-feira, 3 de Dezembro de 2009

«CADA UMA A SEU MODO»

 

No domingo passado, à tarde, fui ver a Bicicleta de Faulkner, pela Companhia de Teatro a BARRACA , no TEATRO CINEARTE. Fui com amigos (contrariamente ao que me acontece com o cinema, onde me é indiferente, ao Teatro gosto especialmente de ir em Grupo) e alguns deles há muito «que não iam ver a Céu». Desde logo a recomendação: vão ver!  espectáculo belo, digno, onde está presente a doença de  Alzheimer mas a peça está  muito para além disso, embora isso e pela delicadeza com que é tratado já merecesse uma ida ao teatro. Permanentemente está, isso sim, Faulkner - e eu adoro Faulkner. E é bom ver que   uma nova geração de criadores e actores  se impõe. Mas o que acabo de escrever  é registado por mim enquanto público, espectadora, que  não passa sem Teatro. Ao sabor da emoção.

Mas sempre que vou ver um espectáculo há outro registo que é accionado em mim relacionado com a circunstância de profissionalmente estar  ligada ao sector. Com frequência os meus amigos em tom irónico comentam: lá estás tu a trabalhar. No domingo não foi diferente. Então, algumas notas:

 

- Registo o espanto ao verem a sala praticamente cheia e com espectadores que não são habituais. Digamos, gente gente, pessoas comuns.Dei uma explicação, é que a Maria do Céu Guerra trabalha muito com as Freguesias;

 

- Aquele equipamento - o Teatro Cinearte - e o sítio,  não passam despercebidos,  e as possibilidades que oferecem para se incrementarem as actividades. Pois é, mas sempre lhes foi adiantando que para isso é preciso mais dinheiro e possivelmente articulações mais buriladas entre a Autarquia e o Ministério da Cultura.

 

- E também têm Programa. É verdade, a BARRACA mesmo nos tempos mais difíceis sempre produziu materiais que nos ajudam a ver a peça e a levá-la connosco.

 

Mas para além do que se foi passando em diálogo entre o Grupo, uma vez mais, quase sempre me acontece quando vou à BARRACA,  lembrei-me, para mim,  de uma disposição do Despacho Normativo   n.º 43/96  de 23 de Outubro que Aprova o Regulamento de Apoios à Actividade Teatral de iniciativa não Governamental (claro que há muito revogado) onde está escrito:

 

CAPÍTULO II

Companhias Convencionadas

 

Artigo 3.º

 

As companhias que, há 15 anos ou mais desenvolvam

uma actividade regular e sistemática, sem lapsos de con-

tinuidade, com reconhecida vida cultural e artística, e

que contribuiram, cada uma a seu modo, para satisfação

e alargamento dos públicos respectivos, e por aí, para

a própria sobrevivência do teatro português, poderão

ser convidadas a estabelecer protocolos de actividades

com o IPAE, com o estatuto de companhias convencionadas.

 

Logo no Diploma se fixou que para o triénio de 1997 a 1999 as companhias eram: Companhia de Teatro de Almada, A Barraca, O Bando, Centro Dramático de Évora, Comuna, Teatro da Cornucópia, Novo Grupo, Seiva Trupe, Teatro de Animação de Setúbal, Teatro Experimental de Cascais.

 

Olhando para o conjunto e  para a sua diversidade percebe-se melhor  o «cada uma a seu modo» - há expressões muito felizes!  (e estou à vontade para o assinalar porque embora tenha participado na elaboração do Diploma não sou a autora).

  

 A BARRACA tinha o seu modo e continua a ter,   e aqui está  o VALOR  sob ópticas muito diversas. 

publicado por MAF às 21:21
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

.Outubro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. EXPOSIÇÃO | Cartazes de ...

. DIA INTERNACIONAL DAS MUL...

. Amas, Flores e Velas

. P A R I S

. EM MEMÓRIA DE VICTOR BELÉ...

. NUM DISCURSO DE MIA COUTO...

. «ERNESTO»

. CAPITAIS EUROPEIAS DA CUL...

. NO 1.º DE MAIO | «Insulta...

. 25 ABRIL 2015

.arquivos

. Outubro 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds