Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010

BIENAL DE VENEZA

Nesta era em que somos sufocados com  informação, em conversas, verifiquei que a gente cá da casa, ou seja, do Grupo Versalhes, está-lhe a passar desapercebida a nossa representação na BIENAL DE VENEZA. Mais que não fosse estão envolvidas pessoas que muito admiramos que nos «obrigam» a estarmos atentos. Deste modo, se quer saber mais veja o site oficial português o site da bienal e este trabalho do jornal Público. E, depois, claro, nos Primeiros Domingos, lá teremos as nossas discussões.

publicado por MAF às 12:00
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 29 de Agosto de 2010

O COMEÇO E O FIM

 

«Amigo, não importa como se começa mas sim como se acaba», foi o que ouvi no Café, numa de cumplicidade, entre cliente e empregado. E os presentes perceberam do que se estava a falar. Mas o ambiente era tenso. Se continuarmos como ontem, o fim parece auspicioso. Não é António! 

publicado por MAF às 12:55
link do post | comentar | favorito
|

DIRECÇÃO GERAL DA ACÇÃO CULTURAL (DGAC) - ORGÂNICA

 

São tantos os que recentemente me têm feito perguntas sobre a orgânica da então Direcção Geral da Acção Cultural - DGAC - que o melhor é indicar aqui o endereço do Diário da República onde está o diploma  - Decreto Regulamentar 19/80 de 26 de Maio - que cobre mais do que um organismo. A qualidade não é grande coisa. Já agora: eu não alinho com aqueles que acham que «investigação», no sentido científico,  é encontrar dados e informação que deviam estar disponiveis e acessíveis de maneira fácil a qualquer cidadão (e às vezes até estão) . Para o caso «apenas» é necessário, por exemplo, saber o número do diploma, e no site da  incm  procurando em Diario da República Electrónico é «tiro e queda». Depois, «reflectir sobre», em função de alguma pergunta e problemática, isso sim, já será investigação. Neste blogue se procurar por «Animação Cultural Institucional» pode encontar mais alguma coisa em torno da DGAC.

publicado por MAF às 12:20
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 25 de Agosto de 2010

CRÓNICAS

 

Quando o potencial da internet era apenas anunciado lembro-me de ler que ia chegar o tempo em que mais do que procurar este ou aquele jornal iriamos  à procura deste ou daquele jornalista ou cronista e que isso ia ser muito fácil. Mais do que fieis ao jornal seriamos adeptos de autores. E que cada um de nós poderia em cada momento «fazer o seu jornal». Lembro-me também de a partir daqui muitas discussões terem lugar  e disso não parecer verosímil a muitos. Ainda recentemente em encontro entre amigos nos lembrámos destes momentos. Com frequência isto me vem à memória quando ando à procura do que diz hoje o cronista x ou y. Ou seja, quando ando a construir o meu «jornal diário» a partir da comunicação social tradicional agora acessível na web, e recorrendo  a sítios individuais. Em regra a crónica mais «negra» de uns é atenuada pela crónica mais «esperançosa» de outros. Mas hoje ao ler BAPTISTA BASTOS e VASCO GRAÇA MOURA, ainda por cima um a seguir ao outro, a coisa fica mesmo «preta».

 

Da crónica de BB

«Tanto Sócrates como Passos nada nos dizem. Não possuem back-ground, são produtos do mesmo berço ideológico que se rege pela carência de ideologia; procedem de uma intenção "doutrinária" sem graça, sem imaginação e, sobretudo, sem aquela grandeza que converte a esperança em sonho e o sonho em destino. A política, para ambos, é uma organização de agenda, um empreendimento sem qualidade áurea, que vive dos telejornais da noite, enfim: uma teologia estabelecida por assessores, que depaupera o humano e liquida a mais leve insubmissão. Atentemos nos discursos do Pontal e de Mangualde: são intervenções destinadas ao pressuposto, muito semelhantes porque nenhum dos protagonistas arrisca, desafia, afronta, desinquieta - e é incompetente para mudar, alterar, reconstruir do que sobra das cinzas. Nós não figuramos nos seus projectos, porque eles apenas alimentam projectos pessoais de poder».

 

Da crónica de VGM:

«Assim, um país analfabeto, predisposto à mendicância e propenso à falta de vergonha, desertificado e macrocéfalo, desequilibrado em todos os aspectos, que não trabalha, não produz, não tem agricultura, nem indústria, está em vias de se tornar a escória da Europa. E essa é mais uma das faces de um problema sério que com este Governo nunca será resolvido: no que toca à política, à sociedade, à economia e à cultura, Portugal tornou-se o mais sério candidato a despatrimónio europeu.»

Vale-nos a luminosidade do dia, lá fora,  que nos convida ao mar. Que nos lava a alma. E, claro, estas crónicas ainda que verdadeiras não nos resumem enquanto país. Há outros países dentro do país, que os mesmos autores, como só eles sabem fazer, também nos têm dado a ver noutros trabalhos.    

publicado por MAF às 12:35
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 22 de Agosto de 2010

«PAPOILAS»

 

 

O quadro de Van Gogh - Papoilas - foi roubado de um Museu no Cairo. Entretanto já foi recuperado . Para lá do crime em si, condenável como qualquer crime, sempre que estamos perante o roubo de obras de arte de um espaço público o acto perturba-me particularmente: trata-se de retirar o que é de todos pelo facto de estar num Museu para ser escondido, doutra forma o crime será descoberto.Que coisa! Aproveitemos o caso para olharmos para a beleza deste quadro. Apetece ir ao Cairo só para o saborear, ao vivo. Para além do mais, adoro «papoilas». E ainda mais girassóis. Está visto, gosto de Van Gogh, a que não deve ser alheio o facto de ter nascido e crescido «no campo». Se calhar não tem nada a ver. Onde estará a origem do «gosto»?

 

publicado por MAF às 12:52
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 20 de Agosto de 2010

ARTES: AFINAL, «CORTES» ?

  

 

Alguns riam-se quando se dizia que enquanto não fosse revogado o célebre artigo 49.º do Diploma da Execução Orçamental os «cortes» mantinham-se, ainda que se efectuassem as descativações ou se encontrassem alternativas de financiamento. Para se ser mais convincente, chegava a dizer-se: «mesmo que saísse a sorte grande à DGARTES». Parece que é isto que esta notícia diz, e por ela se poderá concluir  que nem uma coisa nem outra estão garantidas. Ou seja, ainda «não há verba» e a redução «dos 10%» continua no Decreto. E certamente na prática. O assunto é manchete no Diário Económico desta Sexta-Feira como se vê na imagem acima, e dei por ele por uma  breve referência na televisão ao falarem da imprensa do dia seguinte. Aguardemos os próximos capitulos. Estou com alguma curiosidade em ver como o «meu querido mês de Agosto» se repercutirá no que se vai seguir.

publicado por MAF às 00:53
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 14 de Agosto de 2010

APOIO ÀS ARTES EM TEMPO DE VERANEIO

 

 

Afinal, como seria de prever, a questão dos Apoios às Artes não está encerrada assim  o mostrando este trabalho no Jornal Público. Interessante um dos comentários que pede informação sobre o sector. Associo-me, pensando que mais do que se pedir há que o exigir. Talvez os senhores deputados  tenham aqui um papel a desempenhar bem como os membros do Conselho Nacional de Cultura. Mais do que ninguém precisam de conhecer o que se passa com a cultura e as artes no nosso País em contexto internacional, e isso agora só se admite que seja em tempo real e on-line. Vale pouco fazer um estudo que no dia seguinte está desactualizado. E se é difícil aplicar:

 

A responsabilidadae intelectual consiste em colocar uma questão de forma tão clara e intelegível que seja possível demonstrar à pessoa em causa sempre que esta faça uma afirmação falsa, confusa ou ambigua que assim é  - Karl Popper.

 

E é claro que informação sobre o sector completa, actualizada, integrada e em tempo oportuno - e a sua produção é certamente uma das funções institucionais - permitirá estudos cada vez em maior número e de maior qualidade. À falta disto todos os estudos que foram realizados e vão continuar a ser feitos  serão bem-vindos, e até recebidos com euforia como acontece. O mal está quando desviam a atenção do problema de fundo e se constituem na verdade única.

publicado por MAF às 13:07
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 12 de Agosto de 2010

JUVENTUDE

 

Hoje é o Dia Internacional da Juventude, e por Resolução do Conselho de MInistros o País celebra em 2010-2011 o Ano Internacional da Juventude. E neste preciso momento estou a ouvir num dos Telejornais denunciarem o drama do desemprego que afecta os jovens. Certamente que a melhor maneira de festejar o tal ano seria ultrapassarmos este flagelo. Na esfera da cultura e das artes, parece-me imperioso desencadear medidas que dinamizem o sector tendo presente os jovens, o que até poderá significar apoiar Projectos de «seniores» que integrem equipas de todas as idades. Estamos para lá dos estágios.  Têm o seu papel, bem sei,  mas do que necessitamos, na minha avaliação, como «pão para a boca», é de Projectos a prazo, de uma verdadeira REDE DE ARTES que é muito mais do que uma rede de equipamentos.

 E neste dia da Juventude, detive-me  na crónica A soldado desconhecida de Ferreira Fernandes, publicada no DN, que nos fala duma jovem que faz parte daqueles  que a comunicação social não costuma referir. Agora foi notícia porque faleceu, nos incêndios, e no telejornal estão a dizer que foi hoje o funeral. Muitas vezes falamos dos jovens com uma toada abstracta, esquecendo-nos em muitas ocasiões que cada jovem é uma pessoa.Como a Josefa que foi hoje a enterrar, com 21 anos.

publicado por MAF às 20:31
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 10 de Agosto de 2010

«SANTOS E CONTRATADOS»: ou os diversos países que o país é

 

 

(o vídeo não tem a ver directamente com o artigo mas dá para conhecer melhor o autor e os teatros e teatro que o movem, e  aqui fica  como endereço  para o vídeo completo que  anuncia, facilmente localizável  em www.oeste.tv)

 

Mas que estraga-prazeres que eu sou - embora o prazer me organize - não deviamos todos nós que estamos em férias gozá-las e ponto final! Esquecer os problemas. Mas, ao arrumar os meus arquivos digitais,  releio um artigo de opinião de Fernando Mora Ramos, imagino despoletado pelos cortes na cultura - e tenho ideia que até agora  apenas com uma divulgação restrita de que eu também fui destinatária - e não resisto em dar conta dele, aqui na sua forma completa, e já de seguida com registo de excerto (destaque nosso): 

 

«A criação e a fruição, mesma moeda, são para todos essa possibilidade crítica, exercício de liberdade contra a hegemonia do pensamento único, a ideologia dominante que, como sabemos, não é plural, mas via e visão únicas. No princípio o mercado e não a palavra, a pessoa, menos ainda o colectivo cidadão e mesmo o pão. E a escala da arte a fruir e criar tem de ser nacional e inter-cultural para ser democrática e tem de ser assimétrica para prosseguir um ideal social também na demografia. Os interiores, os vastos interiores, não devem excluir-se da democracia. E são de dois tipos: geográficos (acessibilidades, a internet não faz voar o corpo e que lá venha o planeta) e culturais (o velho e o novo analfabetismos, agora até encartado, universitário, iliteracia cavalgante no consumo industrio cultural mimético). Estes últimos estão por toda a parte, no coração do próprio sistema e agem contra a democracia em nome do igualitarismo e do basismo nivelador de outrora com novas vestes – falam de igualdade de oportunidades e despem as oportunidades de qualquer substância. Não devem excluir-se por razões democráticas. A democracia é inclusiva. Mas também por razões vitais: as artes e a cultura constituem a auto imagem de um povo em movimento, construção da identidade na identidade. Ninguém se vê no consumo e aí se observando só vê o que consome. O que lhe devolve o consumo é mais consumo, mecânica, não vida e hipótese de, futuro e desejo dele. O que a cultura estimula e alimenta plural, abertura ao porvir, a um porvir livre.

Assim sendo e concretizando o que a Constituição estipula, lei maior que leis menores achincalham, o país deve obrigatoriamente estar dotado de estruturas de criação artísticas estáveis nas artes da cena que cubram os diversos países que o país é para que seja um, como a língua o permite e é na sua diversidade: une e é mais que espelho, é mesmo o fundo dinâmico do nosso imaginário comum, aquele que as artes usam e aprofundam, mais rico de imagens e possibilidades, imagens também plásticas, outras línguas do continente da escrita total que a língua cria. Aprofundar as assimetrias é negação da democracia e do direito, regressão civilizacional. A criação estruturada e estruturante é parte da democracia como o Parlamento e os Tribunais, as Escolas e os Hospitais. E de uma democracia moderna claro. De modernidade, pois. É a estrutura democrática do Estado de Direito. Estado de Direito? A propor rasgar e romper compromissos legalmente assumidos? De Direito?»

 

publicado por MAF às 22:19
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 7 de Agosto de 2010

BERÇO VIDREIRO

Na sequência dos posts sobre o Vidro deste Blogue recebemos o endereço do video acima assinalado,  uma produção Localvisão TV, que, naturalmente, agradecemos, e que nos ajuda no conhecimento da arte e da história do vidro que no Grupo Versalhes tanto ocupa o Madeira Luis. Estás  a ver Madeira, o teu esforço também tem resultados via nosso blogue. E assim se ampliam redes e comunidades que tanto te movem.
publicado por MAF às 12:45
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

.Outubro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. EXPOSIÇÃO | Cartazes de ...

. DIA INTERNACIONAL DAS MUL...

. Amas, Flores e Velas

. P A R I S

. EM MEMÓRIA DE VICTOR BELÉ...

. NUM DISCURSO DE MIA COUTO...

. «ERNESTO»

. CAPITAIS EUROPEIAS DA CUL...

. NO 1.º DE MAIO | «Insulta...

. 25 ABRIL 2015

.arquivos

. Outubro 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds