Domingo, 30 de Janeiro de 2011

NUNO TEOTÓNIO PEREIRA

Mais.

publicado por MAF às 13:31
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 29 de Janeiro de 2011

SANTA ENGRÁCIA

  

 

 

Há as obras de Santa Engrácia e parece que agora também podemos ter «Decisões» com o mesmo espírito. Veio-me esta ideia  ao ler isto:  

Uma recomendação do BE para que o Governo deixe cair definitivamente o projecto de integração dos teatros nacionais S. João e D. Maria II no Opart foi ontem aprovada no Parlamento com os votos favoráveis do BE e do PCP e a abstenção dos restantes partidos, incluindo o PS. Leia o resto da notícia no jornal Público aqui.
Estou a imaginar um professor a explicar as Estruturas Orgânicas na Administração Pública, no âmbito das reformas em curso, com alguma base cientifico-técnica (tanto quanto se pode fazer  nestas matérias) e alguém  lembrar-se deste caso. Boa sorte para o professor. 

publicado por MAF às 21:09
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 28 de Janeiro de 2011

AS FRONTEIRAS DA ANIMAÇÃO SOCIOCULTURAL

 

Mais outra iniciativa sugerida pelo ESAU na qual aliás vai participar. E o MADEIRA, também? Não sendo o «meu território» sigo estes acontecimentos  sempre com curiosidade. E se é em Amarante ainda mais. É que eu sou do Norte. Estou a brincar, é mais porque tenho medo de se estudar apenas gestão nem gestão saber ...  Mais. Bem sei, bem sei, que de gestão toda a gente sabe, mas é minha ideia que aqui também estarão causas da situação económica calamitosa em que nos encontramos. Que exagerada dirão uns tantos  que conheço. Lá está ela! Mas não há problema, convivo bem com isso.

  

publicado por MAF às 21:40
link do post | comentar | favorito
|

CONTRIBUTOS PARA A HISTÓRIA DO MOVIMENTO OPERÁRIO E SINDICAL

 

 

Foi o Esaú, que esteve no lançamento, ontem, quinta-feira,   que chamou a atenção para o livro Contributos para a história do movimento operário e sindical - Das raízes até 1977   de que acima reproduzimos a capa. Para saber mais aqui.

publicado por MAF às 17:32
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2011

«ADMINISTRAÇÃO DA OPART NO PORTO»

Depois de ter lido esta notícia o desabafo: parece-me que já se está a confundir tudo. Ou seja, então se a OPART tivesse sede no Porto, a solução já era boa? Santa paciência. Relembro o modelo original: dois Teatros Nacionais - um com sede no Porto outro com sede em Lisboa. Organizações autónomas, com identidade própria dada pelo Projecto artístico, e com um Director que era simultaneamente o Director artístico, e com limite de mandatos. E o modelo resultou, senhores! E enquanto não me demonstrarem o contrário com os menores custos.  

publicado por MAF às 21:08
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 25 de Janeiro de 2011

«NÃO INVESTIR NA CULTURA É AGRAVAR A CRISE»

  

 

Soube bem ler no Público de ontem (versão impressa, não tenho link) um artigo de José Jorge Letria - Escritor, jornalista e presidente da Sociedade Portuguesa de Autores  - com o Titulo «Não Investir na Cultura é Agravar a Crise». Um bocado (uma boa parte) do artigo:

«Não basta programar eventos culturais. É preciso delinear e tornar sustentáveis verdadeiras políticas culturais que levem em conta múltiplos factores, desde logo de natureza sociológica. Infelizmente, Portugal não tem esta tradição.  
 A chamada "classe política", mesmo a que tem hábitos culturais, é, em regra, pouco culta, mesmo que leia livros, veja filmes e vá ao teatro e a concertos. Uma coisa é ter hábitos culturais e outra é perceber que a cultura pode e deve ;r um elemento estruturante da vida de um país. E não vale a pena argumentar dizendo que existem outras necessidades que a crise torna prioritárias. Mesmo que tal perspectiva seja aceitável, isso não desculpabiliza os que negam à economia da cultura a importância que de facto tem, designadamente para ajudar a superai" crises de grande magnitude.  
 Tinha razão François Mitterrand quando, interrogado por jornalistas sobre o nome do ministro da Cultura do seu primeiro Governo, respondeu: "No meu Governo todos são ministros da Cultura". Chegará o dia em que um primeiro-ministro português possa produzir semelhante afirmação ?  
 Apoiar a cultura não é apenas conseguir, com esforço, mais umas "migalhas" no Orçamento do Estado ou no das autarquias. É urgente que os decisores políticos de topo percebam que, sem autores e artistas, terão um país cada vez mais pobre, desestruturado, de cidadania débil e sem esperança no futuro.  
 O fracasso da política do betão, que marcou as décadas de oitenta e noventa do século XX em Portugal, veio demonstrar à saciedade que não existe progresso material sustentável se não for acompanhado pelo progresso moral e espiritual. Portugal precisa de um quadro legal que defenda, de facto, os direitos dos seus autores, precisa de mais orquestras e mais companhias de teatro espalhadas pelo país, precisa de mais respeito pelo seu magnífico património edificado. E precisa, sobretudo, de meios para investir no que tem futuro, sem deixar que todos os meses emigrem para múltiplos destinos, com regresso mais do que duvidoso, jovens artistas, autores e cientistas. Portugal precisa de mais talento, mais criatividade e mais sonho e de muito menos rotundas e de muito menos inaugurações "para o retrato". Portugal precisa, afinal, de apostar naquilo que o honra e dignifica, por ser perene e enriquecedor da cidadania e da identidade colectiva.  
 Então e a crise, que é essencialmente económica, financeira e consequentemente social ? É justamente por estarmos a vivê-la e a sofrê-la que se justificam posições como a que se assume neste texto, porque a cultura tem um reconhecido potencial que está por explorar de forma consistente e organizada. Além de ter respostas a dar no presente, ela é, essencialmente, uma garantia de futuro, principalmente se a associarmos a uma verdadeira política de defesa e promoção da nossa língua e se a soubermos articular com a oferta turística e com uma dinâmica económica que envolva a exportação de bens culturais.  
 A Presidente do Brasil, no discurso de tomada de posse, apontou o investimento na cultura e o apoio à exportação da música e de outras formas de expressão artística como uma das prioridades do seu Governo. Será que o facto de termos uma língua comum não poderá contribuir para que essa mensagem chegue a Portugal e seja compreendida enquanto ainda é tempo?»  

publicado por MAF às 18:00
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 23 de Janeiro de 2011

PARA LÁ DO CARTÃO DO CIDADÃO

Eu ainda não tenho o «Cartão do  Cidadão» e, contudo,  hoje votar foi um pesadelo. Por volta das 15:30 H na Escola Secundária do Lumiar, de repente, vi-me no meio de uma aglomerado de pessoas sem poder ir para a frente ou retroceder. Havia idosos, pessoas de muletas, cadeiras de rodas, altos e baixos, pais com filhos ao colo, e pessoas a quererem desitir sem o conseguir. E ninguém a pôr ordem naquilo. A causa deveria estar no famigerado Cartão do Cidadão, mas ali o problema era como é que se tinha chegado àquela confusão. Ao fim de algum tempo consegui votar, mas era impossível reclamar junto do Gabinete de Apoio ao ELeitor, tal era a algazarra. Quando lá cheguei, protestei junto da mesa. Que não podiam fazer nada, disseram. Acrescentei que a situação era perigosa, que havia riscos ... Naturalmente que o comentário foi que estava a exagerar. E vi, de facto, cidadãos a desistir de votar. Que inveja que tive daquelas filas ordeiras nas Eleições de «Paises subdesenvolvidos» onde se pinta o dedo como prova de que já se votou. Isto não podia ter acontecido, votar tem de ser FESTA.

publicado por MAF às 19:48
link do post | comentar | favorito
|

O MEU VOTO NÃO VAI FALTAR

  

 

 

É verdade, VOTAR continua a ser para mim um «momento único». E cá vou eu a caminho da minha mesa de voto, no LUMIAR. Que frio! que detesto. O que dá mais brilho e importância ao meu acto. E lá vou dizer o que me vai na alma como pede Francisco Lopes que acabo de ouvir na rádio.

 

publicado por MAF às 13:40
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 22 de Janeiro de 2011

VOTAR BEM

  

 

 

Para os que ainda tenham dúvidas sobre o «valor» dos votos em branco ou nulos atente-se no que diz uma nota da CNE:

 

- Os votos em branco e os votos nulos não têm influência no apuramento dos resultados;

 

 - Será sempre eleito, à primeira ou segunda volta, o candidato que tiver mais de metade dos votos expressos, qualquer que seja o número de votos brancos ou nulos.

  

A nota completa no site da CNE.

 

Entretanto, no dia reflexão,  para quem quiser seguir os argumentos de Manuel Gusmão sobre «Patriótico e de Esquerda»  a que nos referimos no post anterior, vá aqui.

 

publicado por MAF às 00:28
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 16 de Janeiro de 2011

«PATRIÓTICO E DE ESQUERDA»

 

Só o simples facto de alguém  reflectir - e na circunstância esse algúem é MANUEL GUSMÃO que tem admiradores neste Blogue, mesmo que alguns estejam noutro terreno partidário, mas acho que são todos de esquerda - justifica que se chame a atenção para este texto do 5DIAS.net que começa assim:

 

Patriótico e de Esquerda

16 de Janeiro de 2011 por manuelgusmao

O coro escandalizado e escarnecedor perante esta dupla de adjectivos merece ainda alguma reflexão. Ele exprime a convicção de que não é concebível um patriotismo de esquerda, ou de que um revolucionário não pode assumir-se como sendo uma coisa e outra. “O patriotismo é necessariamente de direita”. “Ser patriótico e de esquerda é uma contradição lógica”. Estas proposições surgem como tomadas de posição a priori, que ignoram os modos como as palavras ganham ou perdem sentidos  no discurso e poupam em excesso na análise da situação concreta em que são ditas.

 (...)

E mais adiante o COSMOPOLITISMO que tantas vezes entra nas conversas do «Primeiro Domingo» do nosso grupo:

 

(...)

Não o perceber, não o querer ver é manter uma secreta esperança de que o capitalismo seja inapelavelmente o futuro e em alguns casos confundir o cosmopolitismo (próprio dos quadros da produção simbólica) com o internacionalismo proletário.

(...)
Pois é, esta praia é outra, para lá das «tricas» que nos têm inundado nesta campanha.

publicado por MAF às 20:20
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

.Outubro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. EXPOSIÇÃO | Cartazes de ...

. DIA INTERNACIONAL DAS MUL...

. Amas, Flores e Velas

. P A R I S

. EM MEMÓRIA DE VICTOR BELÉ...

. NUM DISCURSO DE MIA COUTO...

. «ERNESTO»

. CAPITAIS EUROPEIAS DA CUL...

. NO 1.º DE MAIO | «Insulta...

. 25 ABRIL 2015

.arquivos

. Outubro 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds