Sábado, 24 de Setembro de 2011

FUI AO PASSADO

 

Fui ao passado, e encontrei isto.

publicado por MAF às 12:37
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 22 de Setembro de 2011

CONFERÊNCIAS DO ESTORIL 2011 - MIA COUTO

 
É sobre o medo. E termina assim: «há quem tenha medo que o medo acabe»

 

publicado por MAF às 12:02
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

MANIFESTAÇÃO 1 OUTUBRO

 

 

 

 

 

 

 

E o autor é meu amigo -  é o Pedro Penilo. E há mais.

publicado por MAF às 11:46
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Segunda-feira, 19 de Setembro de 2011

ECONOMIA COM FUTURO

 
 

 

A ENTRADA É GRATUITA mas tem de haver inscrição para

Conferência

Economia portuguesa:
uma economia com futuro

Lisboa, 30 Setembro
2011, 9.00 horas

Auditório
2, Fundação Gulbenkian

Inscrição, Programa e mais informações no site da conferência. Entretanto, uma artigo da Economista MANUELA SILVA sobre a mesma:

que pode ler através deste endereço. 

publicado por MAF às 19:19
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 17 de Setembro de 2011

ANIMAÇÃO CULTURAL, TESTEMUNHO A NÃO PERDER

O Esau Dinis, do Grupo Versalhes, produziu este trabalho: 

 

Um olhar pessoal sobre Animação e
Formação de Animadores no período de 1950-2010

- à procura de convergências -

 

 que pode ver aqui, e onde pode ler coisas como estas:

«(...)

Anos 50 - Ambiente formativo favorável à ‘animação’

  A respeito da formação dos activistas, líderes, ou futuros líderes, além de um saber profissional reconhecido, havia a partilha em grupo, a preocupação com os modos e técnicas de comunicar e de persuadir, a aquisição de uma cultura clássica e humanista, o estudo do meio e particular atenção aos interlocutores. Estar a par dos programas de rádio mais selectos, como o teatro radiofónico, da literatura estrangeira escapada à censura, da página literária do Diário de Notícias ou do suplemento cultural da União, que teve nome ‘Pensamento’, poderia contribuir para criar um estatuto quase carismático, que seria arredondado com a frequência de pessoas ilustres ou ‘sábias’, quase sempre idosas, a publicação de artigo em jornal local, a demonstração da capacidade de falar em público, com anedota a propósito, revelando espírito arguto, sem esquecer a formação moral com preocupações humanitárias.

 Poderia traduzir-se numa formação centrada nas pessoas, com preocupações literárias e vagamente sociais, sem esquecer aquilo que chamávamos a nossa açorianidade.  Por vezes, a formação chegou por via de irmos acampar noutra ilha, junto de populações com tradições particulares que descobríamos com surpresa. Noutras, tomávamos consciência de saberes e vivências diferentes, a
partir do contacto com novo professor chegado de Roma, e que nos trazia informação da Europa da guerra e do pós-guerra, ou com o sociólogo vindo de Lovaina com saberes laicos, com o cientista que nos falava de vulcões, com VitorinoNemésio que conferenciava sobre cultura, enquanto ‘o que fica depois de esquecer tudo’, com Carlos Walenstein que recitava a Tabacaria e outros poemas de Álvaro de Campos, ou, ainda, com aquele missionário, tisnado dos ares de Timor, que desvendava a estranheza de um mundo distante tornado apetecido.  

(...)           
       
Anos 70 e 80 – Da fase explosiva da animação à sua profissionalização

 Tomando a sociedade como um todo, a década de 70 representa uma fase explosiva da animação, na perspectiva abrangente da acção social e cultural, embora em relação a Portugal, tenhamos de distinguir o antes e o depois do 25 de Abril de 1974.  Na primeira metade da década, registam-se progressos relativamente ao final dos anos 60, sem que aconteça alteração radical de funcionamento.  Mas depois do 25 de Abril de 74, assistimos a um ‘tsunami’ social e cultural de grande amplitude, não obstante não ter obtido resultados estruturais que ultrapassassem os níveis mais à superfície.  Sobretudo após o 25 de Abril de 1974, há pessoas e grupos que se reclamam da animação e se identificam como animadores, mesmo que, na maioria das situações, no plano das actividades, o que sobreleva é o recurso a metodologias e técnicas próprias da animação. Em geral, trata-se de trabalho não profissional, mantendo carácter amadorístico e de voluntariado. Os próprios reconhecem-se como militantes ou activistas associativos e culturais.  Mas já existem núcleos de profissionais animadores, para quem a formação passa a ser importante como reforço de legitimidade e como suporte do desempenho profissional.  Na década de 80, consolidam-se as actividades de animação, com progressiva profissionalização de animadores, aparecendo experiências consistentes de formação de animadores, em sectores mais especializados.

(...)»

Apetece-me notar que é sobre o passado, mas obrigatório no presente e no futuro. Claro, para quem se interessa por estas coisas de forma alicerçada.

 

publicado por MAF às 11:27
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 4 de Setembro de 2011

OUTRA VEZ NA FESTA DO AVANTE

Novamente na festa do Avante e outra reportagem fotográfica da Judite de que tiramos as fotos que se seguem. Em particular, destacamos as duas últimas relativas à homenagem feita a MALANGATANA. A segunda delas é apenas um pormenor do mural de sua autoria que estava exposto.  Mas,  para mim, o melhor da festa é o que quase não se consegue fotografar: aquele ambiente. Bom, a Festa continua hoje. 

 

 

 

publicado por MAF às 12:26
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 1 de Setembro de 2011

AVALIAÇÃO DE PROFESSORES NOUTRAS PARAGENS

Não é ó em Portugal que a avaliação de professores é problema. Foi o que pensi ao ler este editorial no NYT.

publicado por MAF às 10:50
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

.Outubro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. EXPOSIÇÃO | Cartazes de ...

. DIA INTERNACIONAL DAS MUL...

. Amas, Flores e Velas

. P A R I S

. EM MEMÓRIA DE VICTOR BELÉ...

. NUM DISCURSO DE MIA COUTO...

. «ERNESTO»

. CAPITAIS EUROPEIAS DA CUL...

. NO 1.º DE MAIO | «Insulta...

. 25 ABRIL 2015

.arquivos

. Outubro 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds