Terça-feira, 10 de Agosto de 2010

«SANTOS E CONTRATADOS»: ou os diversos países que o país é

 

 

(o vídeo não tem a ver directamente com o artigo mas dá para conhecer melhor o autor e os teatros e teatro que o movem, e  aqui fica  como endereço  para o vídeo completo que  anuncia, facilmente localizável  em www.oeste.tv)

 

Mas que estraga-prazeres que eu sou - embora o prazer me organize - não deviamos todos nós que estamos em férias gozá-las e ponto final! Esquecer os problemas. Mas, ao arrumar os meus arquivos digitais,  releio um artigo de opinião de Fernando Mora Ramos, imagino despoletado pelos cortes na cultura - e tenho ideia que até agora  apenas com uma divulgação restrita de que eu também fui destinatária - e não resisto em dar conta dele, aqui na sua forma completa, e já de seguida com registo de excerto (destaque nosso): 

 

«A criação e a fruição, mesma moeda, são para todos essa possibilidade crítica, exercício de liberdade contra a hegemonia do pensamento único, a ideologia dominante que, como sabemos, não é plural, mas via e visão únicas. No princípio o mercado e não a palavra, a pessoa, menos ainda o colectivo cidadão e mesmo o pão. E a escala da arte a fruir e criar tem de ser nacional e inter-cultural para ser democrática e tem de ser assimétrica para prosseguir um ideal social também na demografia. Os interiores, os vastos interiores, não devem excluir-se da democracia. E são de dois tipos: geográficos (acessibilidades, a internet não faz voar o corpo e que lá venha o planeta) e culturais (o velho e o novo analfabetismos, agora até encartado, universitário, iliteracia cavalgante no consumo industrio cultural mimético). Estes últimos estão por toda a parte, no coração do próprio sistema e agem contra a democracia em nome do igualitarismo e do basismo nivelador de outrora com novas vestes – falam de igualdade de oportunidades e despem as oportunidades de qualquer substância. Não devem excluir-se por razões democráticas. A democracia é inclusiva. Mas também por razões vitais: as artes e a cultura constituem a auto imagem de um povo em movimento, construção da identidade na identidade. Ninguém se vê no consumo e aí se observando só vê o que consome. O que lhe devolve o consumo é mais consumo, mecânica, não vida e hipótese de, futuro e desejo dele. O que a cultura estimula e alimenta plural, abertura ao porvir, a um porvir livre.

Assim sendo e concretizando o que a Constituição estipula, lei maior que leis menores achincalham, o país deve obrigatoriamente estar dotado de estruturas de criação artísticas estáveis nas artes da cena que cubram os diversos países que o país é para que seja um, como a língua o permite e é na sua diversidade: une e é mais que espelho, é mesmo o fundo dinâmico do nosso imaginário comum, aquele que as artes usam e aprofundam, mais rico de imagens e possibilidades, imagens também plásticas, outras línguas do continente da escrita total que a língua cria. Aprofundar as assimetrias é negação da democracia e do direito, regressão civilizacional. A criação estruturada e estruturante é parte da democracia como o Parlamento e os Tribunais, as Escolas e os Hospitais. E de uma democracia moderna claro. De modernidade, pois. É a estrutura democrática do Estado de Direito. Estado de Direito? A propor rasgar e romper compromissos legalmente assumidos? De Direito?»

 

publicado por MAF às 22:19
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

.Outubro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. EXPOSIÇÃO | Cartazes de ...

. DIA INTERNACIONAL DAS MUL...

. Amas, Flores e Velas

. P A R I S

. EM MEMÓRIA DE VICTOR BELÉ...

. NUM DISCURSO DE MIA COUTO...

. «ERNESTO»

. CAPITAIS EUROPEIAS DA CUL...

. NO 1.º DE MAIO | «Insulta...

. 25 ABRIL 2015

.arquivos

. Outubro 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds