Quinta-feira, 16 de Setembro de 2010

DISCURSO POLÍTICO E REPÚDIO

 

 Este artigo de CARLOS VARGAS, publicado no Jornal Público de sexta-feira passada, interessa particularmente ao GRUPO VERSALHES ou não estivesse a maioria ligada ao Ministério da Cultura onde muitos trabalharam e onde alguns  ainda  trabalham (entendido o Ministério como o conjunto dos organismos que o integram). No artigo estão  expressas ideias e relatados factos que podiam ser subscritos por muitos de nós, do Grupo, e que não param de ser objecto das nossas conversas nos  Primeiros Domingos - encontro regular «sagrado» -  e não só, porque nos andamos sempre a encontrar, a falar pelo telefone, por e-mail, para além desse dia. Quando estamos juntos passamos o tempo a discutir cultura, e muitas das vezes sobre o que  se passa no ministério, e disso se queixam os  amigos que têm outras ocupações profissionais. Mas vamos ao artigo e a alguns dos seus temas:

 

- Converge-se facilmente na leitura com que é iniciado: «É frequenete afirmar-se que o consulado Nery/Carrilho à frente do Ministério da Cultura correspondeu a um momento de especial afirmação do tecido cultural português e de um consequente desenvolvimento do Ministério da Cultura. Acontece que Rui Vieira Nery e Manuel Maria Carrilho manifestaram uma invulgar capacidade para ler a realidade cultural do país, e ao mesmo tempo desenhar uma estratégia para o seu apoio, desenvolvimento e promoção, quer no território nacional, quer no estrangeiro, através da administração central do Estado, isto é, de um novo Ministério da Cultura adequado a uma realidade dinâmica mas concreta».

Em jeito de diálogo, apetece adiantar que para isto  foi determinante a assunção política da importância da cultura e das artes que estava expressa, por exemplo, no programa do governo na postura do então primeiro ministro, António Guterres, e na própria criação de «Ministério» para a Cultura que desde logo tinha  um poder simbólico que se poderia traduzir em «a Cultura em pé de igualdade com os outros sectores». E tudo isto era genuino.

 

- Testemunhou-se o que se adianta noutro parágrafo: «Com o novíssimo IPAE - Instituto Português das Artes do Espectáculo, desenhou-se uma estratégia para o território nacional e pensou-se a prática cultural como um sistema, próximo do cidadão e de responsabilidades partilhadas com o poder autárquico, sem fazer tábua rasa de um passado próximo forte e em crescimento. Viseu, com o Centro Regional de Artes e Espectáculos, foi muito bom exemplo das possibilidades e da absoluta necessidade de se lançarem pelo pais esses equipamentos e uma rede estratégica de desenvolvimento cultural. Em 1995, com José Ribeiro da Fonte e Mário Barradas, entre outros, Rui Vieira Nery desempoeirou o país cultural e mostrou que o Estado e a administração central podiam fazer a diferença e lançar desafios». De facto, pensava-se de forma sistémica, e trabalhava-se a dois ritmos: o estratégico e o do curto prazo. Nunca se iniciava uma intervenção sem se cuidar do seu sentido estratégico, mas não se estava à espera de grandes documentos muito bem escritos e arrumados em pastas argoladas  para se começar a agir. Na acção se ia testando e burilando e só depois institucionalizando quantas das vezes,  e tudo, em cada momento, num quadro legal claro.  

 

 Se calhar ainda vamos voltar a este artigo, noutra altura.

 

publicado por MAF às 21:08
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

.Outubro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. EXPOSIÇÃO | Cartazes de ...

. DIA INTERNACIONAL DAS MUL...

. Amas, Flores e Velas

. P A R I S

. EM MEMÓRIA DE VICTOR BELÉ...

. NUM DISCURSO DE MIA COUTO...

. «ERNESTO»

. CAPITAIS EUROPEIAS DA CUL...

. NO 1.º DE MAIO | «Insulta...

. 25 ABRIL 2015

.arquivos

. Outubro 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds